Follow on Bloglovin

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Minha pequena Eva!♥

por aquelacomduplanacionalidade, em 25.06.14

Esta é a miúda da minha vida.

 

Conheci-a bem pequenina, foi a primeira bebé a quem dei biberão. Lembro tão bem do primeiro dia que peguei-lhe ao colo, tinha medo de tão frágil e pequenina que era. Roubou-me o coração naquele momento. Não era difícil. Quem a conhece sabe bem do que falo. Desde o dia que a conheci não consegui larga-la mais. Contava os dias para a ver. Desenvolvemos laços tão fortes. Começava a sentir a falta dos xiis – como ela dizia- de tão apertados e genuínos que eram. Num dia repetia vezes sem conta “adoro-te”, mal ela sabe o quanto eu gosto dela, é sem dúvida a criança que mais adoro neste mundo. É especial. Não sei explicar bem porquê, mas conquistou-me logo no primeiro dia. Lembro-me de a ver na água a brincar e a molhar toda a gente, lembro-me de quando me pedia as pulseiras que usava, lembro-me de quando me bisbilhotava a carteira, lembro-me do quanto vaidosa é, lembro-me do quanto gosta de comer, lembro-me da surpresa que fez no dia do meu 15º aniversário, lembro-me de não ter conhecido a pessoa com quem estava mas já dizer que a adorava por eu estar feliz, lembro-me do gozo que lhe dava vir cá a casa e pintar as unhas. Conquistou-me de tal forma, que foi a miúda a quem dei a minha mansão da barbie, o carro da barbie e todas as minhas barbies (sim, porque até lá, apensar de não brincar com elas, não conseguia abdicar delas), tudo isto porque vi o quanto feliz ficava enquanto brincava com aquilo. Lembro-me de a ter ao meu colo a soprar as velas comigo. Ai caramba, lembro-me de tudo. Mas infelizmente, por questões pessoais foste para longe e deixamos de puder estar juntas da maneira que estávamos antes. Fazíamos skype de muito longe a longe, mas diziam-me que estavas sempre a perguntar por mim. Nem a distância conseguiu desvanecer nem um pouco que seja do quanto gosto de ti. Quando soubeste que ia “aí” disseste logo que querias ir ao aeroporto buscar-me, e ainda bem que foste. As saudades eram tantas que foste logo a primeira pessoa quem abracei e não saíste mais do meu colo. Para ir embora foi um problema, vi na tua cara a tristeza e custou-me. Mas voltamos a estar juntas 3 vezes e aproveitamos tanto tanto tanto, dias cheios de mimo e brincadeira. Até que chegou o dia de regressar a Portugal e a despedida custou tanto pequenina, talvez já persentisse qualquer coisa. Foi o último abraço, o ultimo beijo, o último “adoro-te” e nunca vou esquecer. Voltas-te para Portugal, mas mais uma vez, por questões pessoais, já não nos vemos mais desde aquele dia do ano 2012. Mas espero ver-te muito em breve. Quero voltar a conquistar-te, quero voltar a ter aqueles “xiis” bem apertadinhos e ouvir mais “adoro-te”, que vindos de ti, sabem muito melhor. Sei que já não te lembras de mim, mas a verdade é que eu nunca me esqueci de ti, não há um dia que passe que não me lembre de ti e de todos os mimos. Conquistaste-me e agora não te vais ver livre de mim. Sinto tanto a tua falta. És diferente a todas as outras crianças, eras pequenina mas já ocupavas um grande lugar na minha vida. Estás a crescer tão rápido e cada vez mais a tornar-te numa princesinha e eu só tenho pena de não puder acompanhar este crescimento. Gosto de ti e não me canso de dizer. As saudades crescem de dia para dia e cada vez custa mais. Não podemos voltar atrás no tempo? Queria tanto voltar a passar por tudo de novo. Venha quem vier, já ninguém te vai tirar o lugar, independentemente do que o futuro reservar. És a minha pequenina e eu gosto muito de ti. Até breve

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08






Comentários recentes